Arquivos do Blog

Gurgel diz ver ‘lado postivo’ em operação da PF

Filipe matoso

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse nesta segunda-feira (3) ver “um lado positivo” na operação Porto Seguro, que apurou um esquema de venda de pareceres técnicos em órgãos públicos. A ação resultou na prisão de seis pessoas e derrubou altos dirigentes de órgãos da administração pública, entre eles Rosemary Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo.

“Eu vejo isso por um lado positivo. Cada vez mais fica evidenciado que ninguém, em nenhum lugar, está a salvo do sistema de Justiça, que atua com a necessária firmeza seja onde estiverem sendo praticados [os crimes]”, disse Gurgel.

O procurador disse que  vai atuar caso haja indícios suficientes sobre o envolvimento de autoridades no esquema. “Vamos examinar e adotar providências”, completou.

* Com informações da Agência Brasil

Até a próxima!

Anúncios

Cachoeira deixa prisão após nove meses

Filipe Matoso

O bicheiro Carlinhos Cachoeira deixou o presídio da Papuda, em Brasília, na madrugada desta quarta-feira (21). Conforme reportagem publicada pelo portal G1, a mulher dele, Andressa Mendonça, o aguardava na saída do local.

Cachoeira estava preso desde fevereiro deste ano, acusado pela Polícia Federal de ser o chefe de uma quadrilha que explorava o jogo ilegal em Goiás e no Distrito Federal.

CPI

Está marcada para esta quarta a leitura do relatório final da CPI criada no Congresso Nacional para investigar a relação do bicheiro com grupos políticos e de empresários. A expectativa é que o relator, deputado Odair Cunha (PT-MG), peça o indiciamento de 46 pessoas. Entre elas, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), o ex-senador Demóstenes Torres e o deputado Carlos Leréia (PSDB-GO), conforme reportagem do Jornal Nacional.

Nos bastidores, as conversas são de que Odair Cunha tenha sofrido pressão política para formular o relatório. Vale lembrar que os membros da CPI devem analisar o documento elaborado pelo parlamentar. Conforme o Blog apurou, outros relatórios, paralelos, devem ser levados ao Ministério Público Federal.

Até a próxima!

Convocações de Pagot e Bordoni podem sair na próxima semana

Filipe Matoso

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada no Congresso Nacional para investigar a relação do contraventor Carlinhos Cachoeira com políticos e empresários deve votar na próxima quinta-feira (14) as convocações do ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Trânsito (Dnit), Luiz Antônio Pagot, e do jornalista Luiz Carlos Bordoni.

Carlinhos Cachoeira foi preso em fevereiro deste ano pela Polícia Federal sob suspeita de chefiar uma quadrilha de exploração de jogos ilegais.

Pagot, ex-diretor do Dnit/ foto: Valter Campanato – Agência Brasil

Pagot deixou o Dnit em julho de 2011 em meio a denúncias de diversas irregularidades que teriam sido cometidas pelo departamento enquanto ele estava à frente do órgão. No entanto, há acusações de que as notícias foram “plantadas” na imprensa pelo grupo de Cachoeira, por Pagot não atender a interesses da empresa Delta Construções, que também está sob a mira da Justiça e da CPI.

Conforme reportagem do “G1”, o ex-diretor do Dnit foi afastado da cúpula do Ministério dos Transportes após a revista “Veja” relatar que representantes do PR, funcionários da pasta e de órgãos vinculados teriam montado um esquema de superfaturamento e recebimento de propina por meio de empreiteiras.

Há indícios de que Carlinhos Cachoeira é proprietário oculto da Delta.

Já Luiz Bordoni, que participou da campanha de rádio de Marconi Perillo (PSDB) em 2010, afirma ter recebido R$ 170 mil do comitê. Parte do pagamento, diz o jornalista, foi feita pela empresa Alberto & Pantoja Construções. Ele afirma ter recebido R$ 40 mil das mãos do governador e R$ 45 mil da companhia, que é apontada pela Polícia Federal como “empresa de fachada”. O restante, afirma, foi pago por outros meios.

Perillo entrou na Justiça contra Bordoni por danos morais e nega as acusações do jornalista.

Agenda

A CPI ouve na próxima semana os governadores de Goiás, Marconi Perillo, e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT). O tucano vai prestar depoimento na terça-feira (12) às 10h15 e o petista na quarta (13) também às 10h15.

O advogado de Agnelo, Luis Carlos Alcoforado, disse ao “G1” que a principal estratégia do governador é mostrar aos membros da comissão que a Delta “não recebeu tratamento especial” no Distrito Federal. Perillo desde o começo tem forçado a ida à CPI para “esclarecer as acusações“.

Conforme publica o “Estadão”, o tucano foi citado 237 vezes nas gravações telefônicas interceptadas pela Polícia Federal, durante as operações Vegas e Monte Carlo. O GDF rompeu nesta semana o contrato que tinha com a Delta para a coleta de lixo, mas a empresa possuia vigente um acordo estimado em R$ 470 milhões.

Até a próxima!