Arquivo mensal: outubro 2010

Eu sou um homem de uma palavra só

Por Filipe Matoso

A frase dita na música Deslizando, da banda baiana Harmonia do Samba, foi repetida inúmeras vezes pelo tucano José Serra. O candidato fala em sua propaganda eleitoral ser uma pessoa de palavra única, que jamais muda de opinião.

Moradores de Minas Gerais receberam nas últimas semanas ligações de uma “mulher” com uma bela e doce voz. Quem atende ao telefone ouve a seguinte gravação: “Você vai votar em Dilma? Saiba que ela tinha uma opinião sobre o aborto e depois mudou. Não dá para acreditar em um candidato assim.”

José Serra

Estudante de 18 anos, Lucas Caetano Rodrigues votará pela primeira vez. Ele recebeu as ligações e diz: “não gosto dessa campanha agressiva. Prefiro comparar as propostas apresentadas pelos partidos a receber ligações que falem mal de um ou de outro”.

Não se sabe quem financia as ligações, no entanto, dá para imaginar. O adversário de Dilma é o Serra e isso todo mundo sabe. Então, podemos supor que, no mínimo, a ligação é bancada por sua coligação.

Agora vamos pensar um pouco. É muito fácil se autointitular “do bem” e acusar um adversário de “despreparado e várias caras”. No entanto, é bom lembrar ao candidato do PSDB sobre sua promessa feita em 2004? Sim.  Leia o resto deste post

Área Social vai muito bem, obrigado!

Por Filipe Matoso

Em sua propaganda exibida hoje, 28/10, o candidato do PSDB, José Serra, propôs aos eleitores que fizessem comparações entre os modelos de Governo. Bem, atendendo ao pedido do tucano, faremos algumas no lado Social do país, entre 1994 e 2010.

Faltam apenas dois meses para o encerramento do Governo Lula e os números atingidos pela atual gestão são muito bons. Não dá para achar que já está tudo perfeito, pois o Brasil tem 510 anos de história e passou a maior parte desse tempo com a Política estagnada.

Lula Leia o resto deste post

Você sabe com quem está falando?

Por Filipe Matoso

Brasília leva a má fama de ter pessoas que adoram soltar o “você sabe com quem está falando?”. Sou de Belo Horizonte e é incrível como toda vez que vou lá alguém me pergunta se fatos assim acontecem normalmente.

Veja a imagem abaixo. Tente localizar onde estão as pessoas. Agora separe ricos e pobres, brancos e negros, homens e mulheres, tucanos e petistas, ministros e estagiários. É difícil, concorda? Pois é, tem gente que se acha melhor por ocupar algum determinado cargo, ou por ter mais dinheiro e por aí vai.

Terra

Ser estagiário ou chefe não importa, pois um não é melhor que o outro. A pessoa não deve se achar superior a alguém, jamais. Em questão de respeito, e isso aprendi na minha família, todos devem ser tratados da mesma forma. Pelo jeito, há de fato políticos aqui em Brasília que confundem o real significado de ocuparem cargos a favor da Sociedade. Veja os casos a seguir. Leia o resto deste post

Mancadas de candidatos trazem boas risadas aos eleitores

Por Filipe Matoso

Gafes cometidas por candidatos durante propagandas e debates quebram o clima hostil vivenciado nos últimos meses. Nesse post, você verá as cinco frases mais engraçadas ditas por políticos na TV.

Antes de abrir os comentários, gostaria de dar os parabéns à equipe do CQC, pelo programa de ontem (25/10). Danilo Gentili mostrou ao público que o programa da Band ultrapassa os limites do humor tosco. O repórter questionou o candidato José Serra quanto ao desvio de dinheiro praticado por Paulo Vieira de Souza (Paulo Preto). O peessedebista simplesmente o ignorou e aí começaram as brincadeiras.

Imitando o “Top Five” do CQC, o blogdofilipe.com selecionou as cinco mais. Como encerramos o parágrafo acima falando de Paulo Preto, comecemos por Serra. Leia o resto deste post

Campanha de Weslian Roriz segue baixando o nível

Por Filipe Matoso

Primeiro foi o vídeo do padre José Augusto, depois a propaganda de um jovem petista e agora o testemunho de Michael Vieira. A campanha da candidata do PSC ao governo do Distrito Federal demonstra desespero na reta final.

As propagandas de Weslian Roriz têm confirmado o que se esperava dela: nada! A campanha da candidata do PSC trouxe um vídeo do padre José Augusto, exibido anteriormente na TV Canção Nova (veja o vídeo no post Questões religiosas dão o tom a campanhas políticas). Nas imagens, o padre diz: “pode me matar, pode me prender e pode fazer o que quiser comigo”. Ou seja, o nível começa a cair.

Posteriormente é exibido na campanha o vídeo de um suposto jovem petista. Nas imagens, ele se diz indignado com o partido, desacreditado com o PT e eleitor de Weslian Roriz. Após as exibições, foi descoberta a farsa. Portanto, o nível desce mais um pouco.

Nesta última semana, Weslian Roriz trouxe em sua propaganda o vídeo de Michael Vieira. No depoimento, Michael diz que sacou R$ 150 mil para entregar a Agnelo Queiroz (PT). O personagem chora durante a “confissão” e explica que o dinheiro era para desviar recursos do programa Segundo Tempo, do Ministério dos Esportes, à época em que Agnelo comandava o ministério. Leia o resto deste post

Revolta de militantes é consequência de propagandas ofensivas

Por Filipe Matoso

Revista britânica The Economist trouxe na edição de novembro de 2009 (semana entre os dias 14 e 20) a comparação entre o Governo FHC e o Governo Lula. Na capa, é lido “Brazil Takes off” (Brasil decola).

Atuais campanhas, tanto presidenciais quanto para governadores, estão com o nível lá em baixo. As propostas, ideias e os debates voltados para o povo foram esquecidos. O que se tem visto nos últimos meses é uma verdadeira baixaria. Há sim muitas propagandas bacanas e bem feitas, mas essa realidade está bem longe de chegar a todas as campanhas.

Em Brasília pôde-se ver um imenso conflito entre militantes de partidos adversários. No dia 20 de outubro, houve o caso da bolinha de papel no Serra. Tanto faz se estavam na briga 380 pessoas ou duas e não importa se foi uma bolinha de papel ou um tijolo. Não dá para os militantes transformarem passeatas em guerras. Leia o resto deste post

Escândalos são crias da imprensa

Por Filipe Matoso

A corrupção acontece, os desvios de verba pública são constantes em nosso país e há bandidos na Política espalhados pelo Brasil inteiro. No entanto, são fatos. Os escândalos em si são criados pela mídia.  A imprensa escolhe o que será escândalo e o que não passará de um pequeno desvio de conduta.

A imprensa tem tanto poder sobre a população que além de formar opiniões, decide quais situações de corrupção se tornam escândalos ou não. Principalmente em período eleitoral, vê-se mais ainda estas decisões serem tomadas.

Não adianta achar que ficamos indignados com tudo quanto é corrupção. É bobagem também acreditarmos que há corrupção só em um governo, ou em outro. Na verdade, e por trás de tudo isso, há o interesse da mídia nos fatos. Leia o resto deste post

The Cranberries lota Nilson Nelson

Por Filipe Matoso

Show da banda irlandesa lota o ginásio Nilson Nelson e deixa o público animado do início ao fim. As seis mil pessoas presentes fizeram com que a vinda à Brasília valesse a pena.

Fui ao meu primeiro show de Rock´n Roll um tanto quanto desconfiado. Havia visto apenas na TV eventos como Rock´n Rio e Planeta Atlântida. Me surpreendi. O clima no ginásio estava ótimo e a turma presente mostrou realmente gostar da banda.

The Cranberries em Brasília

No caminho da Asa Sul para o Eixo Monumental, o trânsito estava tranqüilo e nas proximidades do Nilson Nelson também. Não houve engarrafamentos nem problemas maiores.

Para estacionar o carro em um lugar seguro, não foi difícil achar vagas. Em frente às entradas do camarote Lounge havia inúmeros lugares para o público parar os carros. Sem transtorno algum, foi possível achar vagas em menos de cinco minutos. Leia o resto deste post

Mau Jornalismo pode estar ligado a falta de caráter

Por Filipe Matoso

Um jornalista não pode criar relações entre pessoas. A menos que a ligação seja comprovada, não dá para o profissional estabelecer qualquer relação sem ela existir.

Fazer matérias na base do “eu acho” e no “fulano me disse” mostram a baixa capacidade de apuração de qualquer repórter. Não dá para um profissional preparar uma bela reportagem e no fim dizer que tudo está embasado no “eu ouvi dizer que isso aconteceu”.

Ouvi do Leonardo Cavalcanti, editor de Política do jornal Correio Braziliense, que “a apuração está ligada ao caráter do jornalista”. É verdade. Se um repórter não consegue fazer uma matéria sem questionar todas as partes envolvidas, significa que a reportagem ficará com tom tendencioso.

candidata Dilma

Quer um exemplo: Eu uso camisa gola-pólo. Um senador, acusado de roubar R$ 5 milhões, também. Daí abro o jornal um dia e vejo que sou colocado como “melhor amigo” do tal senador. A relação que nós temos? Vestimos o mesmo tipo de camisa. Leia o resto deste post

“Jesus é a verdade e a justiça”, diz Serra

 

 Além de político e candidato à presidência da República, José Serra virou padre, pastor e fiel seguidor de Jesus Cristo.

 À procura de mais votos, o candidato espalhou nesta sexta-feira, 15/10, milhares de cartões com os dizeres “Jesus é a verdade e a justiça”. O fato ocorreu em um evento com professores, em São Paulo.

No sábado, acompanhado por Tarso Jereissati, esteve na cidade cearense de Canindé, em uma missa. No entanto, a agenda não saiu como planejada. Veja o porque. (http://migre.me/1BgpA) Leia o resto deste post